LAZER, SAÚDE E ENVELHECIMENTO


Wecisley Ribeiro do Espírito Santo


O fenômeno do envelhecimento é um tema chave para a reflexão sobre os modos de vida predominantes no mundo contemporâneo. Dispomos hoje de condições sociais, físicas e psíquicas para envelhecer felizes e saudáveis? As condições para promoção da saúde e uso ativo do lazer, durante a velhice, estão distribuídas democraticamente?



Do ponto de vista das condições orgânicas há algumas excelentes notícias! A treinabilidade do corpo humano, ao contrário, por exemplo, da flexibilidade, não deteriora com o envelhecimento. Em outras palavras, o exercício físico continuado provoca adaptações metabólicas crônicas que melhoram força, resistência aeróbica, resistência muscular, potência muscular, agilidade, coordenação motora e até a flexibilidade (valência física mais sacrificada com o passar do tempo), em qualquer idade. O papel destas qualidades físicas na melhoria da qualidade de vida da pessoa idosa é incontestável.



Há, entretanto, condições necessárias para a adesão a um programa de exercícios físicos. No nível mais elementar, a desigualdade de renda impõe uma distribuição assimétrica dos alimentos saudáveis. E não apenas dos alimentos em si, mas também das condições sociais e econômicas para o acesso à educação nutricional. Conforme demonstrou Luc Boltanski, no livro “As classes sociais e o corpo”, quanto mais se desce na escala socioeconômica, tanto mais predominantes são os carboidratos de cadeia molecular simples e as gorduras, em prejuízo das proteínas, fibras, sais minerais e complexos vitamínicos. Estas diferenças de dieta entre ricos, classe média e pobres não se explica apenas pelo preço dos alimentos saudáveis – embora ele seja obviamente determinante. Ela também decorre de estados subjetivos que resultam da escassez ou da abundância. No primeiro caso, a atenção humana tende inconscientemente a buscar alimentos ricos em calorias, exatamente como opera o metabolismo sob condições de nutrição insuficiente, acumulando energia no tecido adiposo. No segundo, a variedade de gêneros alimentares enseja a possibilidade de selecionar uma dieta nutritiva.



Mas a adoção do lazer ativo, durante a velhice, encontra obstáculos mais difíceis de transpor que a nutrição inadequada. Nas sociedades ocidentais contemporâneas os estímulos à vida ativa são proporcionais à juventude. Às gradativas evidências corporais de envelhecimento correspondem também crescentes censuras veladas a certos hábitos salutares. E a própria aceitação pública do envelhecimento é desigualmente autorizada.



Em “O duplo padrão do envelhecimento” Susan Sontag denuncia o tratamento público desigual conferido a mulheres e homens, ao longo do processo natural de transformações decorrentes do amadurecimento orgânico. Cabelos grisalhos são tratados como marca de charme ou símbolo de sabedoria entre eles e evidência de descuido, entre elas. Mulheres são desautorizadas a se relacionar amorosamente com homens mais jovens, ao passo que o inverso é tratado com naturalidade. Uma busca por exemplos de casais, em ambos os casos, no Google Imagens pode surpreender quem julgue ser exagero de Sontag. A prática de sair sem companhia para dançar recebe o mesmo tratamento desigual, durante a velhice. O mesmo vale para patinar, pedalar, correr, andar de skate, nadar ou surfar.



Mas, para além das diferenças de gênero, a velhice é proscrita da vida social em sua quase integralidade. Norbert Elias descreveu, em “A solidão dos moribundos”, como o processo civilizador do ocidente adotou uma estratégia de distinção entre natureza animalizada e cultura humana. A sociedade civilizada seria aquela capaz de ocultar suas marcas de pertencimento ao reino animal. Disto decorre o isolamento social da pessoa idosa. Não se trata, pois, da ruptura dos vínculos sociais como mera decorrência da aposentadoria. Antes é a aversão ao espelho do futuro que leva a sociedade a isolar a velhice.



O filósofo Michel Mafesolli denominou juvenilismo os modos de vida que conferem um valor desproporcional à juventude. Esta visão de mundo não coloca problemas apenas para o lazer e a saúde da população idosa. Ela deteriora as próprias condições psíquicas dos jovens. O juvenilismo nos leva a uma concepção estreita e deturpada de estética corporal. Termina por nos fazer acreditar que fora da juventude não há beleza.



O juvenilismo leva adolescentes a se preocuparem com rugas. Estimula-os ao exagero do exercício físico, ao desprezo pelas leis de equilíbrio de volume e intensidade dos programas de treinamento, à desconsideração dos princípios da adaptação progressiva ao esforço, da continuidade, da recuperação com repouso. Essas atitudes, porém, não lhes franquearão corpos permanentemente jovens; apenas podem lhe oferecer a permanência das lesões crônicas.



O juvenilismo condena seu prisioneiro à uma demissão do paladar e da sensibilidade gastronômica! Receitas divinas e angelicais são negligenciadas em nome de suplementos e rações de proteína e carboidratos de cadeia complexa. As necessidades multivitamínicas do corpo são sacrificadas no altar da deidade estatística da hipertrofia – 55% de carboidrato, 15% de proteína 30% de lipídios.



Quando a combinação do treinamento extremo com a alimentação estreita alcança o resultado esperado, resta uma janela para a alma que compromete o ideal de beleza almejado. Esculturas de simetria muscular tão desejadas exibem assim olhares esvaziados da jovialidade (esta sim, potencialmente eterna) que apenas a intensidade afetiva com os outros pode produzir; alguma coisa vedada ao olhar egocentrado. Por fim, o envelhecimento inevitável levará a forma desejada do corpo, deixando o olhar deformado pela carência de amor que o preconceito geracional faz fermentar no coração.



O juvenilismo torna praticamente incontornáveis os problemas de saúde mental e afetiva! A luta contra o envelhecimento, como se sabe, não pode ser vencida! Ainda está por se fazer uma pesquisa que investigue as correlações entre a idolatria da juventude e o suicídio. E o isolamento social voluntário decorrente da baixa autoestima é provavelmente o mediador que conduz de um extremo a outro.



Nesse sentido, os aposentados jogadores de dominó e baralho das praças públicas, ao recusarem o ostracismo que a sociedade lhes quer impor, prestam duplo serviço. Eles não apenas levam a curso um modo cotidiano de resistência à opressão da juventude. Oferecem também uma abertura ao deletério cárcere juvenilista no qual a maior parte das pessoas se encerra voluntariamente. Eles estão lá, bem acomodados nos bancos da madureza, nos dando as cartas certas. Quanto antes entrarmos no jogo, mais felizes envelheceremos.



124 visualizações

Formulário de Inscrição

  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn

©2020 por Temperança política. Orgulhosamente criado com Wix.com